Deserto da Alma

Depois de sermos esmagados, triturados, moídos e espremidos; após cair a última gota da ilusão do que você pensava ter, cultivar, amar ou, mesmo, ser, nossa essência fica, realmente, vazia, como o núcleo de um único átomo fundamental. Há uma inquietação, em algum canto daquilo que chamamos de nosso eu, travando uma batalha silenciosa com a inércia que nos mantém, enfim, em um tal repouso forçado.

Continue lendo “Deserto da Alma”