Castelos de areia

As imagens não são permanentes. Elas são como vapores trabalhados pela mente. Porém, essa noção é desconcertante. Estamos aqui, encarnados no Mundo, buscando edificar imagens permanentes (projeções) para descobrir, enfim, que elas se desfazem. No mínimo, poderíamos dizer que são frágeis como dentes-de-leão. O vento favorece sua formação, dá-lhe o toque delicado e, enfim, sacrifica sua imagem, desfolheando-os.

Continue lendo “Castelos de areia”

De Autumno (Sobre o Outono)

Outono é a estação em que as folhas das árvores caem, não em sinal de “morte”, mas de preparação ao recolhimento e descanso necessário da Natureza e de nossas almas. O que é velho, cai, caduca; o que cai na terra e no Coração, abre caminho para o que é novo e viceja, nos salvando de nosso desespero, diminuindo o cansaço que o calor do Verão nos lega.

Continue lendo “De Autumno (Sobre o Outono)”

Marte: um Mundo Além da imaginação

Enquanto algumas almas ranzinzas ficam resmungando por outras pessoas estarem entusiasmadas com a “descoberta” (!!) de água em Marte e falte água na represa Guarapiranga, em São Paulo, eu fico, sim, estupefato com a notícia. Ainda que eu suspeite que essa informação já fosse, há algum tempo, de conhecimento da NASA e tenhamos sido os últimos a saber (como sempre), antes tarde do que nunca.

Continue lendo “Marte: um Mundo Além da imaginação”

Nishmath'i (Minha Alma)

Na minha curta carreira sobre este mundo, aprendi que a magia da Arte, como a da Vida, nem sempre se manifesta pela criação, em si, de algo original, mas também pela habilidade de ordenar e coletar o que está disperso. Afinal, como haveria progresso na Criação se não tivéssemos como mantê-la nessa trilha?

Continue lendo “Nishmath'i (Minha Alma)”