As portas do Inferno não prevalecerão contra ela

Quando um católico sincero, devoto, verdadeiramente cristão, que segue e ora nas pegadas de nosso Salvador e Senhor, Jesus Cristo, vê a Santa Igreja ser atacada por marxistas, vilipendiada por políticos apóstatas, atingida por ultrajes e imoralidades das hordas de pervertidos, com bispos infiéis à frente do Povo de Deus,  que pregam a depredação da Doutrina e se aliam a movimentos anticristãos (como Maçonaria e Marxismo), ele pode se perguntar se esse já é o antepasto que precederia a Grande Tribulação (Mateus cap.5, 11 e cap.24) ou se ele deveria ler mais um pouco da profecia de São Malaquias.

Paixão de Cristo

Fico ainda mais entristecido quando escuto palavras saídas da boca de nosso Pastor, Sua Santidade, o Papa bento XVI, que vão de encontro aos ideais sabidamente públicos de nossos inimigos, os Mestres Maçons. Quando o Papa Bento XVI evoca “uma autoridade mundial que traga a paz entre os Povos”, ele parece esquecer-se que somente Cristo pode nos dar a verdadeira Paz, que “não é a Paz que o mundo nos [pode] dar” (Jo 14:27). Pelo contrário, um líder que reunir em torno de si todas as nações, terá sobre si, inevitavelmente, o cumprimento da profecia acerca da Besta, que governará o Mundo e perseguirá os cristãos como inimigos da Humanidade.  Isso é seguro dizer pois um Governo Único só poderá obter reconhecimento se houver uma Religião Única, isso sim também objetivo de maçons e rosacruzes. Não, essa Religião Única não será a Fé em Cristo, mas o Ecumenismo da Besta, que fará uma síntese de todas as religiões e encarnará o Enviado da Nova Era. Continue lendo “As portas do Inferno não prevalecerão contra ela”

Pressentimentos, apocalipses e tempestades solares

Preciso confessar a vocês: estou intoxicado com essa atmosfera apocalíptica dos últimos acontecimentos e desastres naturais. Mas, por que será que isto está me ocorrendo? Será que somente eu é que ando tendo sonhos e pressentimentos sugestivos quanto a catástrofes? Ou será que tudo isso não é somente reflexo de minha crença de que somente uma série de mudanças globais pode fazer o homem descer do pedestal de egoísmo e falta de fraternidade?

Muitas pessoas falam de aquecimento global, comentam a extinção das espécies animais, envenenamento das águas e contaminação radioativa. Exaltam a importância das guerras internacionais, como se matassem, proporcionalmente, mais do que mata o trânsito brasileiro ou a fome na África. Temem a morte e adormecem como crianças, sem saber que o próprio sono é um ensaio para a morte, o fim do ciclo diário de atividades.

Eu realmente acredito que poderíamos levar nossa evolução nesse planeta de uma forma mais sadia e pacífica. Isso é óbvio! Mas, como nos fala nosso senso comum, a Luz não seria tão resplandecente se as Sombras não lhe dessem combate; o alimento não se faria tão essencial se não fosse a sensação de vazio no estômago, e o carinho, se não fosse a necessidade de amarmos e sermos amados.

Tenho a sensação, e várias vezes isso me ocorreu à mente em momentos insólitos, de que a humanidade será exaltada (e depois purificada) depois que sofrer uma grande queda. O homem não aprendeu a se erguer moralmente por sua própria grandeza e potencial, por sua faculdade mais nobre, que é a liberdade de escolha, em boas ou más condições. Um grande baque se anuncia, um grande expurgo, uma separação do joio e do trigo, a nível espiritual.

Todas as grandes culturas do passado, não obstante a incredulidade fanática da Ciência Moderna, nos mostraram que o Tempo é composto de ciclos. Maias, judeus, egípcios, gregos, hindus e outros tantos profetas e visionários, nos indicaram os sinais dos Tempos e o fechamento de seus ciclos. Ainda que nenhum dos fatos “profetizados” para o fim do atual ciclo viesse a se concretizar, eles teriam o conteúdo emocional capaz de resgatar o senso comum de Fraternidade entre os homens, dentre outras virtudes. Mas, sinceramente, acredito (ou melhor, intuo e pressinto, há muito tempo) que importantes e decisivos acontecimentos estão em marcha.

Dentre todas as profecias apocalípticas que estão sempre em minhas visões noturnas, por sonhos e intuições relacionadas, está a Profecia Maia, não somente pela precisão científica impressionante daquele povo, mas pelos “sinais”, coisas que vão se juntando e formando uma corrente de pensamento vigorosa. Vigorosa, e cada vez mais nítida e compreensível.

Tudo que eu sei sobre a Profecia Maia pode ser relido, clicando-se neste link.

O que quero ressaltar neste artigo é o perigo que as Tempestades Solares representam para a vida no Planeta. O Sol tem ciclos de máxima e de mínima atividades. A máxima atividade, também chamada de máximo solar, costuma se repetir, em média, a cada 11 anos. As tempestades solares, mais intensas e frequentes nos períodos de máximo solar, são emissões de bilhões de toneladas de plasma solar e partículas ionizadas. Quando atingem a Terra, são responsáveis, mais comumente, pelas auroras boreais, que se formam pela sensibilização da Ionosfera terrestre.

Lembremos: o diâmetro do Sol é mais de cem e vinte vezes maior que o diâmetro terrestre. Ele é gigante, um “pum” bem direcionado do Sol em direção à Terra, sem a proteção do Campo Magnético Terrestre, que nos protege também dos raios cósmicos e ultra-violeta, pode nos torrar, nos fritar, nos derreter. Sem contar que  tempestades solares têm comprovada influência no aumento do número de terremotos e erupções vulcânicas, alterando regime de ventos e, mais raramente, na formação das marés. Lembram-se dos terremotos da Nova Zelândia e do Japão? Foram precedidos, ambos, por duas emissões de massa coronal solar (ventos solares).

Segundo o site Apolo.com, o próximo máximo solar terá seu auge entre o final de 2012 e início de 2013! Interessante que agora a Ciência parece, muito a contragosto, fornecer elementos para a teoria da profecia maia sobre o fim das eras.

Tempestade solar sobre campo magnético da Terra.
Ação de uma tempestade solar sobre o campo magnético da Terra.

A NASA não colocou o observatório SOHO em órbita, para observar o Sol, apenas para colecionar imagens! Eles estão preocupados com o próximo aumento de atividade solar e o enfraquecimento vertiginoso da intensidade do campo magnético terrestre. Uma tempestade magnética solar,  com aprendemos em Física na escola, tem polos sul e norte. Se a tempestade atinge a Terra na direção Norte, haveria estragos, mas nada comparado se nos atingisse na direção Sul. Concretizando-se a última hipótese, as centrais de comunicação sairiam do ar, juntamente com os satélites. Logo após, as usinas elétricas e suas redes de distribuição entrariam em curto-circuito, por radiopropagação. A maior parte do planeta ficaria às escuras, por dias, ou até meses e anos. Hospitais e redes de abastecimento de água também entrariam em colapso, bem como toda a produção humana (alimentos, bens duráveis e não-duráveis, remédios, combustíveis, etc.).

Isso tudo seria o menor de nossos pesadelos. Se o campo magnético, inerte, sofresse uma segunda tempestade seguida, o vetor magnético do Sol poderia forçar a inversão não só dos polos magnéticos, mas dos geográficos também. Primeiro, o que é inimaginável, a rotação da Terra pararia, tudo pararia, sem dia ou noite, por alguns poucos dias. Depois, numa guinada, o planeta começaria a virar de uma vez como que de ponta-cabeça e voltando a girar no sentido contrário ao de hoje. O que isso significa? Se o planeta é uma casca de ovo rodopiando, totalmente fragmentada em pedaços de casca (placas tectônicas), sobre uma gema (núcleo líquido), então, como resultado da força da inércia, o núcleo pararia, mas a Crosta terrestre (as placas tectônicas) não pararia ao mesmo tempo, mas teria suas placas arrojadas umas sobre as outras, afundando uns continentes e erguendo outros novos.

Bem, é isso!

Por que Jesus não se tornou Rei dos Judeus?

Antes de começar a dissertar sobre o assunto do título, tenho que fazer uma breve introdução de matérias que serão abordadas.

Quadrados Mágicos – conhecidos pelos matemáticos como matrizes do tipo n x n, de n linhas e n colunas. Conta com a peculiaridade de obtermos sempre a mesma soma dos elementos em qualquer coluna, linha ou diagonal.

Exemplo de Quadrado Mágico, também chamdo de khamea, do tipo 3 x 3.
Exemplo de Quadrado Mágico, também chamdo de khamea, do tipo 3 x 3.

No exemplo acima, temos uma matriz 3 x 3, em que em qualquer coluna, linha ou diagonal, a soma dos elementos será sempre a mesma, nesse caso 15. E como sabemos que sempre dará 15? Resposta: basta distribuirmos os algarismos de 1 a 9 (nesse caso, pois 3 x 3 = 9). Ao somarmos todos os elementos, de 1 a 9, e dividirmos o resultado pelo número de seções (colunas ou linhas, nesse caso 3), obteremos 15 (ou seja, 45 / 3).

Para descobrirmos a soma dos elementos (também chamada de número planetário) de uma coluna ou linha de matriz n x n, em que n é o número de seções (colunas ou linhas), segue a fórmula:

S= (n + n³) / 2

Por que falar de quadrados mágicos aqui? Vejamos.

Ontem tive um sonho estranho, desses que você sabe exatamente que não nasceram de suas idéias, simplesmente. Posso falar apenas da matéria em si, mas não dos eventos do sonho, por motivos pessoais.

Lendo um post interessante em um blog ontem, acabei adormecendo, meditando sobre o assunto. E tinha a ver com as correlações místicas e cabalísticas dos khameas, ou quadrados mágicos para os antigos. Mas, o que obtive de conclusões no sonho não tinha visto no post do tal blog. Foi algo novo. Poderá até parecer maluquice para alguns que lerem o post, mas fez todo o sentido para mim.

A maioria dos graus ligados à Rosacruz ou aos gnósticos trabalha com graus baseados nas Emanações da Árvore da Vida. Esta estrutura foi desenvolvida inicialmente nos Templos de Toth/Hermes, mas contava apenas com sete graus, baseados nos Planetas Alquímicos (Lunae, Mercure, Veneris, Martis, Jovis, Saturni e Solis), sendo Solis o mais avançado. Cada grau possuía um Kamea (Quadrado Mágico) correspondente. Mais tarde os Pitagóricos finalizariam a estrutura para conter 10 esferas numeradas, como conhecemos hoje em dia.

Como os Khameas só são possíveis a partir do 3, então estabeleceu-se uma correlação numérico-cabalística entre números e planetas (arquétipos). Assim:

Saturno = 3;  Júpiter = 4; Marte= 5;  Sol= 6; Vênus= 7;  Mercúrio= 8; Lua= 9.

E onde Jesus entra no sonho, digo, na história??

Como todos sabem, o arquétipo astrológico ligado ao domínio, ao juízo, ao Rei é Júpiter. E o número de Júpiter é 4. Numa matriz quadrada mágica 4 x 4, obtemos o número planetário pela fórmula citada acima:

S = (4 + 4³) / 2= (4 + 64) / 2= 68 / 2= 34.

Esse é o número do Rei numa manifestação particular, enquanto homem perfeito, realizado. Daí, me lembrei, no sonho, do 33, que também é um número cabalístico. Mesmo que Jesus não tivesse morrido aos 33 anos, esse era um símbolo atribuído a ele, significando algo transcendente, pois que os números estão pelo menos um grau acima das palavras compostas, em termos de sublimidade. Ele morreu aos 33 anos. Fez de tudo, foi quase coroado. Era Rei de berço, pela sua linhagem davídica, mas não foi coroado. Ele foi 33, e não chegou ao 34. Quase chegou, quase!!

Nas Tradições esotéricas e cabalísticas ocidentais, há quase uma unanimidade em atribuir a figura de Jesus à esfera 6 (Tiphereth, a Beleza) da Árvore da Vida. Ela é representada pelo Sol. O Sol, mais do que ser Rei apenas, traz a Luz. Está entre 12 constelações zodiacais, assim como Jesus estava entre 12 discípulos. Sem contar que todos os mitos solares das tradições anteriores a Cristo no mundo, se referem a deuses sacrificados e abnegados, que dão a vida pelos seus seguidores e pela humanidade.

Mas o que mais me intriga é o seguinte: não tenho qualquer dúvida que Jesus está ligado ao Arquétipo Solar, mas ao executar os cálculos do quadrado mágico com n=6 (Sol), matriz 6 x6, obtemos a seguinte figura:

Khamea (quadrado mágico) do Sol, matriz 6 x 6.
Khamea (quadrado mágico) do Sol, matriz 6 x 6.

Conclusões:

Calculando o número planetário dessa matriz, temos S= (6 + 6³) / 2= (6 + 216) / 2= 222 / 2= 111. Mas, e se somarmos todos os elementos da matriz?? Cada coluna ou linha soma 111. Logo se multiplicarmos por 6, temos… 666!!!

Não digo que Jesus tenha sido a Besta, mas que se alguém, no futuro, querer se comparar a Ele, declarar ser Ele, será alguém de 666, do Sol, que agrupará não 12 apóstolos, ou 12 constelações. Será alguém pacífico, cativante, que atrai seguidores e tem forte carisma. Será a imitação perfeita do Logos Iluminador. Será um Illuminatus, alguém já com os graus de Adepto, com domínio da Mente e dos 4 elementos. E quando um Adepto é do lado “negro da Força”, elé é mau mesmo!! Talvez seja o messias judaico, a reunir as 12 tribos de Israel a lutar contra o mundo…

Mas Jesus também era regido pelo 666, número de homem. E, logo se o tal Anticristo vir, e for um homem, será a antítese de Jesus, mas com o mesmo grau de adiantamento, ou pelo menos, em teoria, com as mesmas prerrogativas, representadas pelo 666, o Sol Invictus

*******

Referências: http://ateuspontocom.blogspot.com/2009/05/quem-tem-medo-dos-illuminati.html