Militância no PT: "profissão" do futuro

Militante do PT na Internet (MAV) chega a ganhar 7.500 reais de salário.
Militante do PT na Internet (MAV) chega a ganhar 7.500 reais de salário.

Sim, é isso mesmo que indica essa imagem. O recibo acima indica quanto um certo militante virtual petralha (um vagabundo, portanto) ganha para difamar pessoas e defender criminosos na internet: R$ 7.500,00.

Continue lendo “Militância no PT: "profissão" do futuro”

PT e Fraude: tudo a ver!

Para quem não entendeu o que a súcia petista queria dizer com “fazer o diabo” para vencer as eleições, hoje tivemos fartos exemplos. Dilma Rousseff, a veterana guerrilheira da VAR-Palmares e ex-assaltante de bancos, teria vencido, enfim, o Segundo Turno das eleições para Presidente do Brasil desse ano, com auxílio das fraudes programadas das urnas eletrônicas, claro!

Continue lendo “PT e Fraude: tudo a ver!”

Três questões e uma armadilha fatal

Neste domingo, véspera da Festa de São Miguel, proponho algumas questões que considero importantes aos leitores deste espaço. Questões quase nunca respondidas por pessoas do lado de lá do muro da insanidade. Recomendo, então, os tópicos abaixo para reflexão sobre o Aborto e sobre o alcance da Liberdade.

Continue lendo “Três questões e uma armadilha fatal”

As revoluções enquanto negócios

Nesses tempos em que as manifestações populares deixaram de surgir em favor de  uma causa e se tornaram fenômenos meramente midiáticos, ou mesmo da moda, seria útil nos perguntarmos até que ponto tais eventos são realmente espontâneos. Pois, um povo que diz exigir o cumprimento da lei não pode, ao mesmo tempo, se arrogar o direito imediato de infringir a própria lei.

Serão, então, essas manifestações um teste de para nossa percepção a fim de percebermos quão irracionais e incoerentes podem ser tais manifestantes? Hoje, estar do lado dos “oprimidos” é conveniente para aqueles que precisam de salvo-conduto para sair vandalizando tudo. Me perguntarão se, acaso, defendo os bancos e a integridade de suas agências bancárias? Não, o que eu defendo é a ordem pública e a não proliferação de maus exemplos aos jovens. Pois, se esses “manifestantes” vandalizam por “justiça”, o que não fariam se tivessem carta branca de verdade?

Continue lendo “As revoluções enquanto negócios”