O Homem que enganou a Morte – Jesus não morreu na Cruz!

Para introduzir o que vou falar aqui, que por si só já trata de um assunto difícil e extenso, vou recorrer novamente à analogia. Afinal, não sou cientista para tratar com experimentos, nem sou capacitado para isso (ainda), mas apenas um pensador livre.

Se fôssemos apenas bactérias do intestino de Deus (a Suprema Inteligência), seres primitivos, porém criados para contribuir para a economia do Corpo do Universo, poderíamos nos considerar de grande importância, certo? Certo dia, Deus infundiu uma de suas bactérias de uma importante missão: fazer saber às bactérias que suas vidas não são mais nem menos do que UMA com a GRANDE VIDA. Uma bactéria continha em seu núcleo celular, e em seu DNA, a mesma essência em grau diminuto, ainda que perfeitamente idêntica, do Cérebro (Inteligência) do Grande Corpo. Pois, em tudo, há hierarquia e ordem. Como coadunariam, em um mesmo meio (Universo), forças de origem diferente, sem que batalhassem pela supremacia?? Teríamos uma dualidade irreconciliável, um Rei nativo, reinando sobre escravos eternamente insatisfeitos por não se identificarem com seu Soberano.

O egoísmo nos tolhe isso: a consciência de nossa verdadeira origem. A relação Criador/Criatura é levada a um extremo irracional, onde somos escravos de um Deus que não se parece, em nossas mentes, conosco mesmos. Em nossas relações, nos importa satisfazer apenas nossas necessidades, pois a religião não nos infunde a noção de Liberdade que, ao saber sermos Filhos de Deus, deveríamos possuir. E sermos livres, desde sempre, importa contermos o Universo e nele estarmos, mesmo que dentro de nós mesmos, no que Paulo dizia ser o Templo do Espírito. Num Templo, toda a Assembléia pode ser vislumbrada, assim como os símbolos sagrados de tudo que foi criado, virtualmente, fora dele.

Em nós mesmos, somos Deus, ainda que por meio não de nosso Eu Consciente, mas de nosso Verdadeiro EU… mas que Eu é esse? Esse Eu é aquele que não vê diferença entre uma pedra e um pássaro, entre ele e o outro ser humano, que é incapaz de destruir algo, ainda que possa transformar a forma física de uma coisa, ou ser, por um Bem Maior. Esse bem maior nunca é um apetite; na pior das hipóteses, uma contingência.

***

As religiões ocidentais, principalmente as de origem greco-romana e a cristã, sentiam uma necessidade paradoxal de transformar a natureza humana em divina, e vice-versa, deixando Deus com uma aparência antropomórfica distorcida. Continue lendo “O Homem que enganou a Morte – Jesus não morreu na Cruz!”

Liberdade, a Guardiã do Dever.

Hoje em dia, um grande número de pessoas, e temo que no futuro venha a ser a maioria, pensa e acredita, que Liberdade seja sinônimo de libertinagem. Esses querem, sim, a anarquia!! Na década de 70 e 80, quando virou modinha os círculos e grupos que diziam “estudar” os escritos de Aleister Crowley, muitas pessoas começaram a interpretar de forma bizarra um de seus mais famosos adágios:

Faze o que tu queres, pois há de ser tudo da Lei.
Fazer o que eu quero significa realizar minha Vontade Verdadeira, a vontade que está pulsando no íntimo do meu ser: cumprir meu próprio destino, sem me deter pelas circunstâncias. Esse destino, a cada qual, é dado a conhecer ao longo da vida, ora em pequenas doses homeopáticas, ora de uma vez só, como foi a Einstein.
Fazer o que eu quero não significa fazer a outrem o que eu não gostaria que me fizessem. Assim, eu só mataria alguém se eu tivesse instinto suicida ou desejasse que alguém me matasse também. Fazer o que eu quero, realmente, denota uma supraconsciência sobre o dever de cumprirmos e levarmos a bom termo nossas habilidades, em prol da humanidade. Faço a outros o que desejo que me façam, pois o mesmo ar que me anima os pulmões é o mesmo que faz queimar o fogo que me aquece, que percorre os respiradores artificiais nas UTIs. É exatamente o mesmo ar que inspiro que é constituído por 21 % de oxigênio e que é essencial a Vida de todos. O ar que percorre algo que eu matasse, entraria em minhas narinas com odor de morte!!
Em um post de outro blog meu, chamado Stella Matutina, cito umas das frases que mais me tocaram na vida, e que me trouxeram um pouquinho de Luz, constante de um dos livros de Eliphas Levi:
A liberdade não é a licença (libertinagem), pois a licença é a tirania.
A liberdade é a guarda do dever, porque revindica o direito.

Só se pode reinvindicar qualquer direito, quando se cumpre o dever. Cumprir o dever é reinvindicar sua liberdade, protegendo a liberdade do próximo. Só podemos ser livres se guardamos a liberdade do outro, pois cumprindo com o que nos compete, teremos direito de exigir a mesma coisa dos semelhantes. Faz o que tu queres, cumpre o dever, sem se deter em nada, pois assim é encima como é embaixo, e dessa forma, tudo há de ser conforme a Lei.

Vejo multidões, vizinhos, empregados, ladrões, criminosos, políticos agirem, alegando ser de sua alçada, alegando ser de sua liberdade, reinvindicando coisas pelas quais não fizeram nada para merecer, roubando e se apossando do que não viram nascer, pelo que não trabalharam para fazer crescer. Vejo vândalos quebrando pelo que não pagaram (a maioria não trabalha e, assim, não paga impostos). Se pagassem por aquilo que agora quebram, não teriam tempo para quebrar nada. A Liberdade não é fazer tudo que desejamos, mas desejar livremente realizar tudo que devemos fazer. É saber, e procurar saber mais, sem preconceitos, sem interferências, qual o caminho para a nossa felicidade verdadeira.
Ser livre é não ter amarras. Ser livre é não se deixar levar pela multidão, pelo ódio cego, pela fé irrefletida, pelas crenças não-fundamentadas pela Consciência. Ser livre é navegar um barco à vela, escolhendo o vento que nos guiará, escolher a ilha em que aportaremos. Ser livre significa renegar a escravidão pelas circunstâncias, não responder pelos erros alheios, não carregar os méritos alheios, é levar somente o que é nosso. É ser como Yeshua (Jesus): abraçar a cruz, seu destino escolhido, sem ressentimentos, livremente. Mas nem tudo é cruz na vida, e nem todo jardim é feito com rosas…

O RPG I.N.W.O. e ataques de 11/09/2001

Como muitas pessoas, na internet ou fora dela, me incomoda a sensação de não saber claramente sobre algo; mais claramente, a sensação de estar sendo enganado. Mais ainda me atrai a idéia de haver “algo por trás das cortinas” que apenas se insinua, mas não mostra sua face, não sei se para manter afastados os ignorantes e os alienados, ou para simplesmente ferrar com os curiosos.

Já ouvi falar muito sobre os RPGs (Role Playing Games, ou jogos de interpretar). É um jogo de cartas, como dos atualmente bem populares entre os jovens. Nunca cheguei a tomar contato com eles, mas sei que eles são uma febre em todo o mundo, e já há bastante tempo. A partir de hoje, vou começar a estudar com mais atenção sobre eles.

Ontem, lendo alguns artigos do Navegador de Tags do WordPress, me chamou a atenção um sobre o tal RPG, chamado de I.N.W.O., sigla em inglês para Illuminati: New World Order (Illuminati: Nova Ordem Mundial). E li sobre interessantes detalhes sobre o mesmo: em 9 das 100 principais cartas encontram-se algumas que retratam cenas de eventos recentes que mudaram o cenário mundial e a vida de milhões de pessoas. Um dessas cartas, Terrorist Huge, mostra a cena de um atentado terrorista com uma explosão em um de duas altas torres, idêntica à cena do impacto de um dos aviões à primeira das Torres atingidas do WTC. Também há uma outra que mostra, na sequência, o Pentágono em chamas. Mas o intrigante nesta última carta é que o Pentágono atingido parece continuar suas atividades normalmente. Na figura não há alarde aparente.

Carta "Ataque Terrorista"
Carta “Ataque Terrorista”

O interessante desse jogo é que ele parece predizer tais eventos 6 anos antes. Sim, ele foi criado em 1995! Será que o criador do jogo sabia, de alguma forma, o que iria acontecer?? E como sabia?? Clarividência?? Ou teria ele contato com pessoas, ou que sabiam disso ou que trabalhavam para que os eventos ocorressem de forma “coerente”??

Outra carta mostra claramente as duas torres (as gêmeas??) em chamas. O título da carta é Population Reduction. Mas o que essa carta têm a ver com redução de População??

Não é novidade, para os que lêem o que escrevo há mais tempo, que acredito que boa parte dos acontecimentos globais, hoje testemunhados por todos nós, são “fabeicados” pelos querem governar o mundo, pelos que querem o Governo Único do Mundo. Para isso é que foi criada a ONU, a União Européia. Acredito inclusive que algumas doenças de massa que mais matam, tais como a AIDS e a atual Gripe A (H1N1). foram criadas com manipulação de vírus em laboratórios, para acelerar um plano de redução global da população. Isso teria o objetivo de, junto com as ameaças de uma Terceira Guerra Mundial e o descontrole da destruição dos recursos naturais, forçar as nações a clamarem por um Governo Mundial que trouxesse a Ordem, pusesse fim aos conflitos e garantisse o abastecimento de alimentos para os pobres.

Carta "Redução de População"
Carta “Redução de População”

Algo também me preocupa nos acontecimentos atuais, com vistas também  à carta Combined Disasters:

1) Com o ataque dos Estados Unidos ao Iraque, o Oriente Médio caminha em direção à guerra total.
2) Na Península Coreana, a Coréia do Norte atacará a Coréia do Sul com armas não-convencionais e a China lhe dará apoio, causando uma situação similar à Crise dos Mísseis Cubanos.
3) Ataque Chinês para Conquistar Taiwan.

Se os Estados Unidos atacou o Iraque sem se preocupar com a ONU, porque outros países não poderão fazer a mesma coisa? (a justificação é válida)

Carta "Redução Populacional"
Carta "Redução Populacional"

A Coréia do Norte está se preparando para a guerra, embora negocie a paz.
A Coréia do Norte já mobilizou seu exército de mais de um milhão de soldados e que 70% dele está nas proximidades da Zona Desmilitarizada! O segundo pavio da Terceira Guerra Mundial poderá ser aceso em bem pouco tempo!

As intenções da China contra Taiwan dispensam comentários (a China parece aguardar o momento certo para começar a guerra e tomar Taiwan definitivamente).

“A Terceira Guerra Mundial vai acontecer, gostemos ou não…onze de setembro foi apenas o começo…” (Declaração do Assessor do primeiro-ministro israelense Ariel Sharon, em 27/4/2002).

Igualmente neste período deverá acontecer os desastres combinados:
1) Ataques Terroristas Maciços Contra as Cidades do Mundo.
2) Colapso Econômico Mundial (bancos e bolsa de valores)
3) Aumento de doenças contagiosas. (que surgem misteriosamente)

O autor de Nova Era Bill Cooper resume toda essa ameaça de um modo claro e sucinto:

“Você pode imaginar o que acontecerá se Los Angeles for atingida por um terremoto de 9.0 graus na escala Richter, Nova York for destruída por uma bomba atômica plantada por terroristas, a Terceira Guerra Mundial explodir no Oriente Médio, os bancos e as Bolsas de Valores entrarem em colapso, a comida desaparecer dos supermercados, um falso messias se apresentar ao mundo, e tudo isso em um período muito curto? Você pode imaginar? A estrutura de poder mundial pode, e irá, se necessário, fazer algumas ou todas essas coisas acontecerem, como forma de trazer à tona Nova Ordem Mundial.” (Behold a Pale Horse, pg 177-8).

*******

Fonte de referência:

http://www.umanovaera.com/conspiracoes/O_Jogo_INWO.htm

http://pt.wikipedia.org/wiki/Inwo

Stella Matutina

O anjo da liberdade nasceu antes da aurora do primeiro dia, antes do próprio despertar da inteligência, e Deus a chamou de Estrela da Manhã..

“Gloria, pois ao Pai que sepultou o exército de Faraó no Mar Vermelho!
Glória ao Filho que rasgou o véu do templo e cuja pesadíssima cruz, posta sobre a coroa dos césares lançou por terra a fronte dos césares!
Glória ao Espírito Santo, que deve varrer da Terra com seu sopro terrível todos os ladrões e todos os algozes, para dar lugar ao banquete dos filhos de Deus!
Glória ao Espírito Santo, que prometeu a conquista da Terra e do Céu ao anjo da liberdade.”

O anjo da liberdade nasceu antes da aurora do primeiro dia, antes do próprio despertar da inteligência, e Deus a chamou de Estrela da Manhã.
Ó Lúcifer! Tu te separaste voluntária e desdenhosamente do céu onde o sol de afogava em sua claridade, para sugar com teus próprios raios os campos incultos da noite.

Tu brilhas quando o sol se deita, e teu olhar cintilante precede o despertar do dia.
Tu cais para subir de novo; experimenta a morte para melhor conhecer a vida.
Tu és a gloria dos antigos do mundo, a estrela da tarde para a verdade, a bela Estrela da Manhã.
A liberdade não é a licença; pois a licença é a tirania.
A liberdade é a guarda do dever, porque revindica o direito.
Lúcifer de quem as idades de treva fizeram o gênio do mal, será verdadeiramente o anjo da Luz, quando tendo conquistado a liberdade a preço de reprovação, fazer uso dela para se submeter à ordem eterna, inaugurando assim a glória da obediência voluntária.
O direito é somente a raiz do dever, é preciso, pois para dar.
Ora, eis como uma alta e profunda poesia explica a queda dos anjos.
Deus dera aos espíritos a luz e a vida, depois disse-lhes: -Amai.
Que é amar? Responderam os espíritos.
Amar é dar-se aos outros, respondeu Deus, Os que amarem, sofrerão, mas serão amados.
-Temos o direito de nada darmos e nada querermos sofrer, disseram os espíritos inimigos do amor.
Ficai no vosso direito, respondeu Deus, e separemo-nos. Eu e os meus queremos sofrer e até morrer para amar. É nosso dever!
O anjo decaído é, pois aquele, que desde o princípio recusou amar; ele não ama e é todo o seu suplico; ele não dá, e é sua miséria; ele não sofre, e é seu vazio; ele não morre e é o seu exílio.
O anjo decaído não é Lúcifer, o portador da  Luz; é Satã, o profanador do amor.
Ser rico é dar; nada dar é ser pobre; viver é amar, nada mar é ser morto; ser feliz é devotar-se; existir só para si é reprovar a si próprio e se enclausurar no inferno.

 

 *******

 Fonte: http://www.pistissophiah.org/a_estrela_manha.htm